11/08/2016 iGUi Ecologia 0Comment

O narval (Monodon monóceros) é uma espécie de baleia com dentes que vive no Ártico e é parente da beluga (Delphinapterus leucas), um companheiro habitante dos mares árticos gelados. Os machos são diferentes das fêmeas por apresentarem uma presa reta, longa e helicoidal, que nada mais é do que um dente, um canino superior esquerdo alongado. A pigmentação do narval é um padrão tingido, com manchas castanho-escuras sobre um fundo branco. Elas são mais escuras quando nascem e a cor se torna mais branca com a idade, com manchas brancas em desenvolvimento no umbigo e fenda genital na maturidade sexual. Os machos idosos podem ser quase puramente brancos. Eles não têm uma nadadeira dorsal, possivelmente uma adaptação evolutiva para nadar facilmente sob o gelo. Além disso, as vertebras do pescoço do narval não são fundidas em conjunto, mas são articuladas, como as dos mamíferos terrestres. Ambas as características são compartilhadas pela baleia beluga.

BelugaA característica mais notável do narval macho é sua única presa extremamente longa, um dente canino que se projeta a partir do lado esquerdo da mandíbula superior, por meio do lábio e forma uma hélice. A presa cresce ao longo da vida atingindo comprimentos de 1,5-3,1 m. Apesar de sua aparência formidável, a presa é oca e pesa apenas cerca de 10 kg.

Esses animais foram caçados por mais de mil anos pelos povos locais no norte do Canadá e da Groenlândia devido a carne e marfim (dente), porém uma caça de subsistência regulamentada continua até hoje. Enquanto as populações parecem estáveis devido a caça uma outra preocupação atinge esse animal, as alterações climáticas, devido a uma distribuição geográfica restrita e dieta especializada. Em um esforço para apoiar as ações de conservação para as baleias, a União Europeia estabeleceu uma proibição de importação de presas. Enquanto há muitos países que não só estabeleceram estas proibições, eles já têm cotas de capturas em vigor, o que será importante também em áreas recém-abertas causadas pela diminuição da camada de gelo do mar.