20/07/2018 iGUi Ecologia 0Comment

Quando vamos comer comida japonesa ou até mesmo um peixe não fazemos ideia da procedência, ou seja, de onde veio esse pescado. Também não sabemos como ele foi pescado, se foi em uma região protegida, se o modo de pesca foi o correto e etc… Na pesca atualmente encontramos situações adversas como a sobrepesca ou pesca predatória.

A sobrepesca ou pesca predatória é a situação em que a atividade pesqueira de uma espécie ou em uma região deixa de ser sustentável. Ela está sendo realizada de uma maneira excessiva e sem controle. Não se aplica somente a pesca industrial, mas também a pesca artesanal.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) mais de 80% de todos os estoques são considerados como plenamente explotados, sobre-explotados ou já colapsados. Mas o que significa isso???

De acordo com a instituição Pesca + Sustentável podemos definir:

  • Estoques (quantidades) colapsados (sem chance de recuperação de estoques),
  • Sobre-explotados (pescadas acima dos limites máximos e próximas do colapso),
  • Plenamente explotados (pescadas em seu limite máximo),
  • Em /desenvolvimento (estoques que estão se recuperando após terem atingido recuperação a plena ou sobre-explotação/ novas pescarias) e,
  • Não-explotados (estoques ou pescarias que ainda não são exploradas comercialmente).

No vídeo abaixo vamos entender as categorias:

Mas, o que podemos fazer para mudar isso?

A pesca sustentável é uma solução, pois o peixe é fornecido de estoques saudáveis e com o manejo correto, ou seja, ele não tem um impacto negativo no ecossistema. Por isso um estudo efetivo para a melhoria da pescaria e uma fiscalização mais ativa e eficaz é indispensável.

Mas enfim chegamos no ponto chave deste artigo, um tópico extremamente importante e inovador: a rastreabilidade do peixe. Agora poderemos saber através de um código numérico qual a identidade de uma mercadoria e as suas origens. Ou seja, poderemos saber se o peixe veio de uma pesca artesanal bem manejada, se é de uma Reserva Extrativista e se causou um baixo impacto no meio ambiente. E, o peixe que não tem nenhuma informação ficaremos com um ponto de interrogação em relação a sua procedência…Qual dos dois você prefere comer?

Portanto agora os pescados vêm com um código! E, a partir dele, você terá todas as informações pertinentes sobre o pescado, como: quando, onde e como o pescado foi capturado. De acordo com a mesma instituição acima, as pessoas relacionadas à cadeia de suprimento poderão também carregar informações sobre manipulação e envio dos produtos. Enfim, todos que participam da cadeia podem traçar a história do pescado, desde a captura até o seu prato, assim como, se conectar diretamente com o pescador responsável.

Participando do Programa Pesca+Sustentável, além da garantia de estar adquirindo um pescado de qualidade e sustentável, estará contribuindo para o bem-estar humano através do incentivo de formas de trabalho mais justas e melhorias socioeconômicas para os pescadores e suas famílias.

Vamos começar a adquirir essa iniciativa? Exija o rastreamento do alimento que você está comendo… o meio ambiente agradece!