07/08/2020 iGUi Ecologia 0Comment

Recentemente foi publicado um artigo científico na revista ECOGRAPHY (DOWNLOAD), cujo tema é a dispersão de animais de Detritos encontrados na praiaum local ao outro pelo lixo encontrado no mar. Segundo o autor, Zoë Lindo, do Laboratório de Biodiversidade do Solo, da Western University, no Canadá, o terremoto de 9,0 graus de magnitude que atingiu a costa leste do Japão em 2011 e o subsequente tsunami de 38 metros de altura levaram grandes quantidades de detritos da costa japonesa para o Oceano Pacífico, o que levou a um evento de “rafting” biológico em larga escala, transportando quase 300 espécies marinhas às costas América do Norte.

Colúmbia BritânicaO autor foi ao longo da costa norte e leste da ilha de Graham, que é uma grande ilha próxima da costa oeste do Canadá. Com 2608 km² é o maior do arquipélago de Haida Gwaii, pertencente à província da Colúmbia Britânica, no Canadá.

Embora essas áreas tenham passado por extensos esforços de limpeza local, as evidências de acúmulo contínuo de detritos oceânicos originários da Ásia são inconfundíveis, compreendendo principalmente macro-plásticos (por exemplo, garrafas de água), detritos de isopor e latas de aerossol, itens pessoais reconhecíveis, como cestos de roupa, sapatos e escovas de dente. Os detritos antropogênicos eram altamente visíveis em todos os locais de praia diariamente e frequentemente ao longo das linhas de maré alta, com uma estimativa de 95% desses detritos de origem asiática.

Foram encontradas comunidades de invertebrados significativamente diferentes associados aos detritos. Além disso, a ocorrência de várias espécies japonesas (que não deveriam estar no Canadá) de ácaros que habitam o solo (Acari: Oribatida).

Historicamente, o tsunami que se origina perto do Japão atravessa o Oceano Pacífico em menos de nove horas, sendo que o tsunami de 2011 atingiu o sul do Alasca depois de apenas oito horas. No entanto, enquanto os tsunamis criam o potencial de um evento de dispersão de pulso, é mais provável que os detritos naturais Detritos encontrados na praia
(por exemplo, toras) e outros detritos antropogênicos (por exemplo, bóias de vidro) sirvam como jangadas mais frequentes para esse transporte.
No entanto, a frequência relativa de eventos tsunâmicos do Pacífico é uma explicação ponderada para as semelhanças na fauna costeira da América do Norte e da Ásia costeira, destacando o papel de eventos raros de dispersão na geração e manutenção de padrões na biodiversidade.