03/10/2022 iGUi Ecologia 0Comment

Depois do desastre em Chernobyl, as rãs que apresentam a coloração da pele mais escuras foram favorecidas e compõem agora uma grande população na região.

Após mais de 30 anos do acidente, muitas pesquisas são realizadas na região com a fauna. Em 2016, foram identificadas uma coloração enegrecida da pele dorsal de machos de rã oriental, da espécie |Hyla orientalis.

A coloração da pele era mais escura nas localidades mais próximas de áreas com altos níveis de radiação no momento do acidente, enquanto os níveis atuais de radiação pareciam não influenciar a coloração da pele em pererecas de Chernobyl.

As rãs-arborícolas que vivem na Zona de Exclusão de Chernobyl tinham uma coloração da pele dorsal notavelmente mais escura do que as rãs de fora da Zona. A manutenção da coloração escura da pele não foi associada a custos fisiológicos em termos de condição corporal ou estado oxidativo da rã, e não foram detectadas alterações de curto prazo na coloração da rã.

A coloração escura é conhecida por proteger contra diferentes fontes de radiação, neutralizando os radicais livres e reduzindo os danos no DNA, e, particularmente, a pigmentação da melanina tem sido proposta como um mecanismo tampão contra a radiação ionizante. Os resultados sugerem que a exposição a altos níveis de radiação ionizante, provavelmente no momento do acidente, pode ter sido selecionada para coloração mais escura em pererecas de Chernobyl.

O estudo sugere que a coloração escura em pererecas está relacionada aos níveis de radiação históricos, mas não aos atuais. Esta sugestão é baseada em uma correlação positiva entre luminância e distância até a área mais contaminada no momento do acidente, e na falta de correlação entre coloração e taxas de dose atuais absorvidas pelas rãs examinadas. Os níveis de radiação caíram várias ordens de magnitude desde o acidente e muitos radionuclídeos de vida curta conhecidos por induzir danos biológicos significativos desapareceram completamente da área, o que pode contribuir para explicar o papel da exposição histórica e a falta de correlação entre luminância e taxa de dose individual atual em nosso estudo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *