01/07/2019 iGUi Ecologia 0Comment

As sacolas plásticas estão proibidas nos estabelecimentos comerciais no Estado do Rio de Janeiro!

No dia 26/06/2019, na última quarta-feira, entrou em vigor uma LEI estadual que proíbe a distribuição de sacolas plásticas convencionais nos estabelecimentos comerciais do estado do Rio de Janeiro!

Isso significa que 4 BILHÕES de sacolinhas não sejam consumidas ao longo de 1 ano!! Quem não está mais aguentando de tanto plástico é a natureza.
Os estabelecimentos deverão substituir as sacolas por sacolas reutilizáveis (preste atenção AQUI) e mais resistentes, de cor verde (biodegradáveis) e de cor cinza (acondicionar o lixo). As novas sacolas deverão ter resistência de no mínimo dez quilos. Os estabelecimentos poderão distribuir as sacolinhas gratuitamente ou cobrar, no máximo, oito centavos por unidade. A substituição deverá ser feita em até 18 meses, para micro e pequenas empresas, ou 12 meses para os demais estabelecimentos e caso não seja cumprida pode-se levar uma multa de até 34 mil reais!

As sacolas deverão ser compostas de pelo menos 51% de material proveniente de fontes renováveis, isso a torna sacola de plástico verde, mas isso é benéfico ao meio ambiente?! Temos que ficar atentos, pois com apenas 51% de matéria-prima renovável (como a cana de açúcar) essa sacolinha ainda é de plástico, não é 100% derivado do petróleo, mas ainda assim é plástico! Infelizmente, o polietileno verde não é biodegradável. Mas pode ser classificado como um bioplástico, pois, de acordo com a definição da Associação Europeia de Bioplastico (European Bioplastics Association), plásticos produzidos a partir de fontes renováveis e/ou plásticos biodegradáveis são classificados como bioplásticos ou biopolímeros.

O plástico verde é produzido com matérias primas proveniente de fontes renováveis, porém não necessariamente biodegradáveis, ele foi criado com o intuito de diminuir os impactos causados pela indústria petroquímica na produção e comercialização do plástico. A empresa brasileira Braskem, do grupo Odebrecht, foi a primeira a desenvolver a tecnologia de produção de plástico com matéria-prima renovável. A produção do plástico verde ou polietileno verde é proveniente do etanol da cana-de-açúcar. A sua constituição é exatamente igual ao polietileno comum, com as mesmas propriedades, desempenho e versatilidade de aplicações. A única diferença é a matéria-prima utilizada na sua produção.

Já a origem do plástico biodegradável é natural, são aqueles que podem ser totalmente reabsorvidos pelo meio ambiente. Os plásticos biodegradáveis decompõem-se em seus componentes mais simples pela atividade dos microorganismos sendo transformados em substancias mais simples tais como CO2 (dióxido de carbono), H2O (água), CH4 (metano), ao entrar em contato com o solo, com a umidade, com o ar e com a luz solar, ao contrário do que ocorre com as resinas petroquímicas, que permanecem por muito tempo sem sofrer alterações. É aproveitado na geração de energia e/ou na construção de biomassa. Outros produtos podem ser ainda solúveis em água (https://www.iguiecologia.com/chilenos-criam-sacola-plastica-soluvel-em-agua/). Dessa forma, são rapidamente absorvidos na natureza e em certos casos podem até servir de adubo e alimentação animal, eliminando o descarte em aterros sanitários (onde levam até 100 anos para se decompor) e deixando de poluir rios, lagos e oceanos.

Agora que sabemos a diferença entre plástico verde e biodegradáveis, ficou claro que as novas sacolas não são compostáveis (ou seja, não retornam para o ciclo da natureza, nem com as condições adequadas) e o grande perigo delas, como as das “antigas” é o PÓS CONSUMO e o DESCARTE, não somente a matéria-prima. No meio ambiente ela ainda vai demorar séculos para se decompor e vai continuar matando animais e entupindo bueiros nas cidades. A melhor maneira é dizer não as sacolas plásticas, mesmo com essas novas. A questão é o que fazer com seu próprio lixo, temos muitas possiblidades, mas a principal é parar de gerar mais um lixo, como por exemplo utilizar as sacolas para colocar o lixinho do banheiro, você pode usar outro tipo de material para descartar esse tipo de lixo, como por exemplo os sacos de papel e sacos de jornal!

Infelizmente, o impacto ambiental gerado por essas novas sacolinhas ainda é gigantesco. Isso significa que vão continuar demorando séculos para degradação e vão virar, sim, microplásticos no fim das contas! Agora uma coisa é garantida, só o fato do estabelecimento cobrar pelo uso das sacolas já faz com que as pessoas repensem se realmente é necessário ou não!

Precisamos falar sobre o consumo de 1,5 MILHÃO DE SACOLAS POR DIA só no Brasil! A melhor alternativa? Dizer não para todas as sacolinhas descartáveis e de plástico verde. Elas continuam matando os animais e poluindo o ambiente!! Pode ser que vamos achar estranho ir ao supermercado e não ter as sacolinhas, mas posso garantir vamos conseguir nos adaptar, peça uma caixa de papelão e aproveite a mesma para depositar o seu lixo reciclável na sua casa. Mude seus hábitos!

Esse vídeo mostra como podemos substituir a sacolinha plástica!!