24/08/2020 iGUi Ecologia

Lodo de esgoto – uma ferramenta importante na agricultura, no reflorestamento e plantio de mudas florestais! Nas Estações de Tratamento de Esgoto (ETE), é gerado, muitas vezes em larga escala, um resíduo conhecido como biossólido, ou melhor o lodo de esgoto. Os lodos de estação de tratamento de esgoto (Letes) são formados a partir da biomassa microbiana que decanta (afunda) durante o processo de tratamento do esgoto bruto, no qual os microrganismos decompositores e a própria matéria orgânica digerida do esgoto se acumulam no fundo dos tanques das Estações de Tratamento de Esgoto. Esse lodo é especial pois é rico…

21/08/2020 iGUi Ecologia

De acordo com a Science Friday, todos os anos, cerca de 45 milhões de americanos dependem de lentes de contato para ver o mundo com mais clareza, sendo que esse mercado gera cerca de $ 2,7 bilhões de dollares apenas no mercado americano. Todos os dias, essas lentes de plástico são jogadas fora pelos consumidores de várias maneiras e muitas vezes sem saberem qual vai ser seu destino final no ambiente. Os cientistas da Arizona State University estão relatando o primeiro estudo nacional que mostra que os consumidores dessas lentes as descartam pelo ralo, na grande maioria, contribuindo sem saber…

17/08/2020 iGUi Ecologia

O pinguim-imperador (Aptenodytes forsteri) é a maior ave da família dos pinguins. Os adultos podem medir até 1,22 metros de altura e pesar até 37 kg. Ele é caracterizado pela plumagem multicolorida: cinza-azulado nas costas, branco no abdômen, preto na cabeça e nas aletas. Esta espécie apresenta também uma faixa alaranjada em torno dos ouvidos. Sua alimentação baseia-se em pequenos peixes, krill e lulas. O padrão reprodutivo é bastante característico. As fêmeas põem um único ovo em maio/junho, no final do outono, que abandonam imediatamente para passar o inverno no mar. O ovo é incubado pelo macho durante cerca de…

12/08/2020 iGUi Ecologia

Em maio de 2020, a publicação de um artigo científico voltada a educação ambiental nos chamou a atenção. O artigo intitulado “Diversidade de aves marinhas em Pokémon uma ferramenta de educação ambiental e conservação” (DOWNLOAD), publicado na revista a Bruxa, traz uma realidade da atual situação das crianças hoje em dia, pois muitas são mais eficientes em identificar as criaturas fictícias do que os animais verdadeiros que estão ao seu redor. Esse artigo serve como um alerta para educadores e conservacionistas de como uma atividade de educação ambiental pode fornecer um aprendizado adequado. A educação é uma ferramenta essencial da…

07/08/2020 iGUi Ecologia

Recentemente foi publicado um artigo científico na revista ECOGRAPHY (DOWNLOAD), cujo tema é a dispersão de animais de um local ao outro pelo lixo encontrado no mar. Segundo o autor, Zoë Lindo, do Laboratório de Biodiversidade do Solo, da Western University, no Canadá, o terremoto de 9,0 graus de magnitude que atingiu a costa leste do Japão em 2011 e o subsequente tsunami de 38 metros de altura levaram grandes quantidades de detritos da costa japonesa para o Oceano Pacífico, o que levou a um evento de “rafting” biológico em larga escala, transportando quase 300 espécies marinhas às costas América…

04/08/2020 iGUi Ecologia

A península Russa de Yamal, que fica ao norte da Rússia em Iamália-Nenétsia, é rodeada pelo Mar de Kara, Baía Baydaratskaya e Golfo de Ob. É praticamente desabitada e o seu solo é maioritariamente permafrost. O permafrost ou pergelissolo (em português) é o tipo de solo encontrado na região do Ártico. É constituído por terra, gelo e rochas permanentemente congelados (do inglês perma = permanente, e frost = congelado, ou seja: solo permanentemente congelado). Esta camada é recoberta por uma camada de gelo e neve que, ao derreter-se no verão, torna a superfície do solo pantanosa, uma vez que as…

29/07/2020 iGUi Ecologia

Jorunna parva, popularmente conhecida como “coelho-do-mar”, é uma espécie de lesma do mar, um nudibrânquio. Os nudibrânquios são animais que possuem as brânquias desprotegidas, possuem mais de 3000 espécies diferentes e uma característica marcante deles são as diferentes colorações permitindo uma camuflagem eficaz nos recifes de coral, no qual vivem. O corpo é mole, cilíndrico/achatado e musculoso, contendo na parte anterior tentáculos orais, olhos e rinóforos (com função quimiorreceptora, ou seja, são capazes de detectar substâncias químicas na água). As brânquias estão na parte dorso caudal do animal. Em algumas espécies, o corpo apresenta projeções chamadas de cerata (ou, no…

24/07/2020 iGUi Ecologia

A iGUi também incentiva programas científicos, como o: “Projeto de Desenvolvimento de metodologia para cálculo comparativo das emissões de gases do efeito estufa (GEE) entre os processos de construção de piscinas em fibra de vidro (P.R.F.V.) e piscinas de concreto.” Esse projeto sob coordenação do Prof Dr. Jorge Alberto Villwock (Instituto do Meio Ambiente), Prof. João Marcelo Ketzer (Centro de Excelência em Pesquisa sobre Armazenamento de Carbono – CEPAC) e Eduardo Bandeira Maia (CEPAC) da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, foi realizado em 2007. Sabe-se hoje que os gases de efeito estufa (GEE), principalmente o dióxido de…

21/07/2020 iGUi Ecologia

As garças são aves que constantemente observamos ao redor da nossa sede, são brancas e podem ser altas e baixinhas. Mas o que nos chamou a atenção é a garça-azul (Egretta caerulea). Ela chega a medir até 52 cm de comprimento, com uma plumagem cinzento-azulada, com o bico cinzento e a ponta enegrecida, assim como seus dedos. Quando juvenil é branca, passando por um estágio de transição “malhado”; também apresenta as pernas esverdeadas e os olhos com íris amarela clara. Essa ave se alimenta de pequenos invertebrados e peixes. Vive sozinha ou em grupos espaçados de 2 ou 3. Em…

17/07/2020 iGUi Ecologia

Dando continuidade aos animais encontrados ao redor da nossa sede, encontramos a marreca-queixo-branco, também conhecida como: marreca-toicinho, paturi-do-mato e arrabio-de-bochechas-brancas. Seu nome científico significa: do (latim) anas = pato; e bahamensis = originário das Bahamas, ou seja, Pato das Bahamas. Essa ave habita os campos de arroz irrigados, pequenos lagos e lagoas salinas ou salobras. Seus ninhos são feitos em touceiras de capim próximas da água. A fêmea coloca de seis a nove ovos que eclodem após 25 dias. Os filhotes são criados pelos pais, para evitar riscos com predadores. A alimentação se baseia em pequenas sementes e folhas, larvas…