23/04/2015 iGUi Ecologia

BOAS NOTÍCIAS…. As tartarugas marinhas que foram microchipadas estão retornando ao Atol! Na época de desova elas voltam a cada 15 dias para realizar uma nova postura. Em cada desova a tartaruga coloca em média 120 ovos. Elas podem realizar cerca de 3 a 7 posturas por temporada de reprodução. Os ovos levam quase 2 meses para eclodirem… Como podemos ver nas fotos estamos trabalhando com uma tartaruga durante o dia. Isso acontece, pois algumas tartarugas perdem o tempo da maré de retornar para o mar e ficam na praia até uma nova maré cheia para que assim possam retornar…

23/04/2015 iGUi Ecologia

Como saber se a época reprodutiva das tartarugas marinhas já começou no Atol das Rocas? Simples, ao andar na areia nos deparamos com um rastro semelhante ao de pneu de trator. Os meses que podemos visualizá-los vão de dezembro a junho, somente nas ilhas oceânicas local onde há predominância de desova de tartaruga-verde (Chelonia mydas). No continente esse período vai de setembro a março, porém com as demais espécies de tartarugas. Cada tartaruga tem um tipo de rastro e o que vemos ao lado é um rastro de tartaruga-verde. Porém nos últimos dias, o Atol foi atingido por um forte swell…

23/04/2015 iGUi Ecologia

Apesar do nosso projeto sobre tartarugas marinhas estar focado somente em tartarugas-verdes, uma outra espécie também visita as águas do Atol das Rocas, trata-se da Eretmochelys imbricata conhecida popularmente como tartaruga-de-pente. O nome popular se deve ao fato de que o animal possui uma bela carapaça contendo placas córneas que serviam de matéria prima para confecção de ornamentos, tais como: aros de óculos, cigarreiras e pentes. Por este motivo muitos indivíduos foram caçados e mortos indiscriminadamente, fato este que levou a espécie a ser considerada criticamente em perigo. No Atol das Rocas são encontrados indivíduos juvenis que permanecem ali para se alimentar,…

23/04/2015 iGUi Ecologia

Já faz sete dias que a equipe está no Atol das Rocas. O trabalho com as tartarugas é realizado sempre de noite estendendo-se pela madrugada. No início, até a equipe se adaptar com todo o procedimento, chuva, ventos fortes, maré alta e sem contar que os animais são enormes, é difícil, mas conseguimos! A experiente chefe da reserva Maurizélia de Brito, a Zelinha, acompanhou a equipe nos primeiros dias, forneceu dicas importantíssimas para facilitar o trabalho. Segundo Zélia, todo manejo com as tartarugas devem ser feitos preferencialmente no momento da postura, ou seja no “momento em que elas entram em…