16/05/2015 iGUi Ecologia 1Comment

Em um projeto pioneiro no Brasil, pesquisadores estão implantando microchips em tartarugas marinhas na reserva biológica do Atol das Rocas, a 267 quilômetros da costa do Rio Grande do Norte. O objetivo é aumentar e dinamizar o monitoramento do animal. O procedimento, indolor, foi iniciado em fevereiro passado e é considerado o mais seguro para as tartarugas, segundo os pesquisadores. Até o início de maio, mais de 100 tartarugas já tinham sido microchipadas. https://vimeo.com/127818876 A espécie escolhida pelo projeto é a tartaruga-verde (Chelonia mydas), ameaçada de extinção, segundo a International Union for Conservation of Nature IUCN (IUCN), e a mais…

15/05/2015 iGUi Ecologia

No mês de abril a iGUi ganhou o premio de Destaque em Sustentabilidade 2015 da ABF – Associação Brasileira de Franchising, entidade mais respeitada do setor, que mais uma vez reconhece nossa empresa como atuante e contribuidora para o meio ambiente. Destaque em Sustentabilidade 2015 Excelência em Franchising 2015. Sustentabilidade é um termo usado para definir ações e atividades humanas que visam suprir as necessidades atuais dos seres humanos, sem comprometer o futuro das próximas gerações. Ou seja, está diretamente relacionada ao desenvolvimento econômico sem agredir o meio ambiente, usando os recursos naturais de forma inteligente para que eles se mantenham…

14/05/2015 iGUi Ecologia 14Comment

SOLO O produto SOLO utilizado pela iGUi para a desinfecção de água das piscinas foi descoberto através da associação da nanotecnologia (estudo de manipulação da matéria numa escala atômica e molecular)à área química, onde se chegou a um desinfetante em larga escala a partir de pequenos átomos. Seu principio ativo é o Hidrocloreto de PolihexametilenoGuanidina (PHMG) e caracteriza-se por ser uma substância capaz de destruir, neutralizar, impedir ou prevenir a ação de microrganismos vivos indesejáveis e nocivos a saúde do homem. Este princípio ativo é bem conhecido mundo a fora, estando catalogado na Comissão Reguladora da Comunidade Européia como um biocida para…

14/05/2015 iGUi Ecologia

Embalagens de madeira de reflorestamento Os novos filtros de piscina G4 plus, Comfort e Premium contam com embalagens de madeira de reflorestamento com o selo verde FSC. FSC® (Forest StewardshipCouncil®) que em português significa Conselho de Manejo Florestal se aplica a situações, como: às atividades de manejo florestal, sejam nativas ou plantações, ou seja é uma Certificação do manejo florestal. Este conselho foi criado como o resultado de uma iniciativa para a conservação ambiental e desenvolvimento sustentável das florestas do mundo inteiro. Seu objetivo é difundir o uso racional da floresta, garantindo sua existência no longo prazo. O manejo florestal…

14/05/2015 iGUi Ecologia

MUDANÇA DE EQUIPE! Neste final de semana ocorreu a mudança de equipe. Luciana e Natália retornaram e entramos com dois novos integrantes para esse próximo mês. Gostaríamos de deixar nosso agradecimento a elas por participar da nossa expedição… obrigada meninas! Nesta parte da expedição contaremos com a participação de dois pesquisadores: Pedro Lacerda e Katia Silva. Pedro é formado em Biologia pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora. Possui experiências com resgate e reabilitação de animais marinhos, monitoramento da biota marinha, com ênfase em cetáceos. Possui experiência nas áreas de biologia da conservação e etnoconservação, com temas de…

14/05/2015 iGUi Ecologia

FILHOTES DE TARTARUGAS MARINHAS A cópula das tartarugas marinhas ocorre no mar e apenas as fêmeas sobem à praia para desovar. Após escolherem o local adequado e fazerem o ninho que possui em torno de 120 ovos, as mesmas retornam ao mar sem nunca conhecer a sua cria. Os ovos possuem período de incubação na areia de cerca de 60 dias. Durante esse tempo, o sexo das novas tartarugas será definido de acordo com a temperatura da areia. Temperaturas entre 28-29°C (temperatura pivotante) produzirão número proporcional de fêmeas e de machos. Temperaturas inferiores gerarão mais machos e superiores acarretarão em…

14/05/2015 iGUi Ecologia

HISTÓRICO DA RESERVA BIOLÓGICA DO ATOL DAS ROCAS Devido a sua formação desprovida de rochedos que pudessem ser vistos pelas embarcações, Atol foi local de muitos naufrágios. Visando resolver esse problema, em 1881 avaliaram a instalação de um farol na região e em 1883 passou a funcionar um farolete, o que auxiliou na redução dos desastres. Com o tempo, o farol foi sendo substituído e modernizado evitando os acidentes. Inicialmente, o funcionamento do farol era manual, devendo ser ligado todas as tardes e apagado ao amanhecer. Assim, foi necessária a instalação de uma família para cuidar do mesmo. Em 1887…

14/05/2015 iGUi Ecologia

ANIMAIS DA RESERVA BIOLÓGICA DE ATOL DAS ROCAS A Reserva Biológica de Atol das Rocas é reduto de grande diversidade de espécies. Estima-se que cerca de 150 mil aves vivam na Reserva, sendo a maior colônia de aves marinhas do Brasil. Há espécies que utilizam Atol para reprodução, como Trinta-réis-do-manto-negro (Onychoprion fuscata), Viuvinha-marrom (Anous stolidus), Viuvinha-negra (Anous minutus), Atobá mascarado (Sula dactylatra) e Atobá marrom (Sula leucogaster). Já outras usam Rocas como ponto de descanso e alimentação, como o atobá-do-pé-vermelho (Sula sula) que pode permanecer durante sua juventude e os maçaricos que veem descansar e acumular energia por serem aves…

14/05/2015 iGUi Ecologia

CURIOSIDADES SOBRE O ATOL DAS ROCAS E DAS TARTARUGAS MARINHAS! Você sabe como é a areia do Atol das Rocas? A areia de Rocas é do tipo biogênica, ou seja, formada por estruturas de organismos e não diretamente minerais. Os organismos que contribuem para a formação da areia são: algas, corais, esponjas, tubos de poliquetas, moluscos e foraminíferos (protozoários marinhos). As praias de Ubatuba, no litoral norte do Estado de São Paulo por exemplo, são constituídas basicamente pelo mineral sílica. Você sabia que o ninho tem formato de vaso e possui cerca de 60 cm de profundidade? Em seu interior…

14/05/2015 iGUi Ecologia

MUDANÇA DE EQUIPE! Neste final de semana ocorreu a mudança de equipe. Daniela e Vanessa retornaram e entraram mais duas integrantes para esse mês – abril. Gostaríamos de deixar nosso agradecimento a essas duas pesquisadoras que enfrentaram muitas chuvas entre outros problemas, para darem suas preciosas contribuições para a nossa expedição… obrigada! Nesta segunda parte da expedição contaremos com a participação de duas pesquisadoras: MSc. Luciana Filippos e MSc. Natália Roos. Luciana é graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, mestre em poluição marinha pelo Instituto de Geociências da USP e especialista em Educação ambiental pelo Senac, já atuou…